domingo, 28 de fevereiro de 2010

Tira a mão guria!!

Essa é uma daquelas cenas

Não diga que sou bom demais para você. Eu sou, mas não diga.

Essa é uma daquelas músicas

Sim, sim, sim, tem que ser assim.

Só sei que é muito difícil...


... e muito chato também. Mas vamos indo!

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Eu

É tão legal participar de um projeto com pessoas que gostam do que fazem e têm talento para isso. Mesmo sem um tostão de verba, um simples trabalho de faculdade se transformou em um curta vivo, autêntico, real.

OS LUGARES QUE VOCÊ DEIXOU

.

Música da semana



Gosto de saber a história de cada música, em qual ocasião foi lançada e qual o motivo dela ter sido escrita. Esta, segundo a biografia do Tim Maia, feita pelo Nelson Motta, foi escrita em uma circunstância, digamos, bem incômoda. Tim morava de favor com um amigo. Como o apartamento não tinha quarto disponível, o pequeno/jovem/cantor dormia na sala. Frequentemente o amigo levava mulheres lindas e apetitosas para o local e se deliciava com cada uma delas no quarto. Para Tim, só restava ficar na sala ouvindo os gemidos. Enquanto olhava para um pôster na sala de uma mulher linda com um fundo azul da cor do mar, escreveu: Na vida a gente tem que entender, que um nasce pra sofrer, enquanto o outro ri. Nascia uma das mais belas músicas já feitas no Brasil.

Programas que deveriam voltar para a TV


Produto no chão perde ponto!

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Aviso

Pausa até quinta.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Fotos mais incríveis premiadas no World Press Photo 2009

Luiz Vasconcelos
Kent Klich
Joe Petersburger
Carlos F. Gutierrez

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Não sei!




Fui assistir "Onde Vivem os Monstros" sem muita exigência. E gostei tanto! Durante todo o filme senti um misto de identificação, nostalgia, alegria, tristeza e mais uma coisa, que ainda não sei direito o que é.


Acabei lembrando do primeiro livro da minha vida. É esse aí ao lado. "O Passeio da Formiguinha". Lembro da página do meio, com um texto maior, que tirava o meu sono. Não conseguia passar daquela parte. Depois de um longo inverno consegui vencê-lo. Em seguida veio "Uma Pipa tão Pipa no Céu", já mais fácil, seguido de "O Barquinho Amarelo". Então vieram muitos outros que não saberei citar o nome. Logo chegaram nas minhas mãos alguns exemplares da série Vaga-Lume, herdados da minha irmã. Depois vieram outros e mais outros. E ainda faltam tantos... Ainda bem!


sábado, 13 de fevereiro de 2010

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Oportunidade para ver o Diogo no palco


Clarice Lispector no Fringe

Adaptação de um dos livros mais famosos da escritora será
apresentada em Curitiba


O livro “A Hora da Estrela”, de Clarice Lispector, ganha vida durante o Festival de Curitiba deste ano. A peça “História Lacrimogênica de uma Borboleta Branca”, adaptação da cultuada obra, faz parte da programação da Mostra Fringe e será apresentada no Pé no Palco.

Na peça, nove narradoras contam a história de uma mulher miserável, que mal tem consciência de existir. Após perder seu único elo com o mundo, muda-se para uma cidade grande e consegue um emprego de datilógrafa. Esta moça, que de aparência era assexuada, tinha uma vida simples e não esperava muito do futuro. Afinal, o simples fato de ter futuro já era um luxo.

De tão tola, às vezes até sorria para os desconhecidos da rua. Ninguém respondia, pois nem ao menos a olhavam. Mas a mulher também tinha segredos, muitos deles bem guardados. E assim tentava viver, mas isso não era tão fácil. Para ela, o simples fato de viver doía.

O espetáculo será apresentado pelo Peito Lírio Cia. De Teatro, de Curitiba, que no ano passado participou do Festival de Curitiba com a peça “Meu Sonho é Participar de Um Filme do Pedro Almodóvar”, sucesso de público durante a temporada. Desde a metade do ano passado as atrizes participam de um extenso processo de pesquisa e criação para adaptar a obra para o teatro.

Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria central do Festival no ParkShopping Barigüi, através do telefone 4003-1212 ou pelo site www.ingressorapido.com.br.

Peça “História Lacrimogênica de uma Borboleta Branca”
Direção e adaptação: Vanessa Corina
Dias: 18, 19, 20, 25, 26 e 27 de março de 2010, sempre às 23h59.
Duração: 60 minutos
Público limitado a 25 pessoas por apresentação.
Ingresso: R$ 30,00 e R$ 15,00.
Local: Teatro Pé no Palco, Rua Conselheiro Dantas, 20, esquina com a Rua João Negrão.
Informações: (41) 3029-6860

Família ê

Tenho um primo que é um barato. Ele é professor de história, pai, punk, com várias tatuagens pelo corpo, e volta e meia usa um cinto cheio de balas de pistola vazias. Quando está em Curitiba, é meu dever levá-lo em quase todos os sebos da cidade (sim, pois levar em todos é impossível, visto que se reproduzem como coelhos). Passamos horas em busca de livros e filmes sobre os mais diversos assuntos. Na última vez ele encontrou um vinil em excelente estado do Secos & Molhados e eu encontrei o DVD do filme Le Fate Ignoranti super barato.

Mas este meu primo tem um costume bem pitoresco. Ele passa horas e mais horas encaminhando os mais diversos tipos de e-mails. Fotos, histórias, contos, reportagens, vídeos, piadas e tudo o mais que ele achar interessante. Essa semana abri um com fotos de um acidente de carro. Uma beleza!!! Não passei da segunda imagem.

Porém, entre um amontoado de bobagem ele também envia algumas pérolas que adoro ver. Reproduzo o último destes e-mails que me fez rir:

Agressão verbal - homens x mulheres
Ela:
— Seu babaca escroto, animal filho da puta, ladrão, salafrário, viciado, preguiçoso, vagabundo, corrupto, pão duro, mau-caráter, sanguessuga, imbecil, cachaceiro, mulherengo, chifrudo ordinário, idiota, bêbado, burro, inútil, você é um resto de merda que não serve pra porra nenhuma, seu maldito desgraçado imprestável do inferno ! ! !
Ele:
— Gorda!

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

New Yoooooooork

Não sou muito chegado em rap, hip hop, R&B e coisas do gênero. Mas como não gostar de Empire State of Mind?



Ela faz parte da trilha de Sex and the City 2.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Palco furado

Há uns três ou quatro anos encontrei uma experiente jornalista cultural em um almoço. Ela estava indignada, dizendo que tinha repórter de caderno de cultura querendo exclusividade em releases de estreia de peças. Puta da cara, ela reclamava dizendo que não há como dar exclusividade nisso, afinal a arte é para todos e quanto mais pessoas souberem da estreia de um espetáculo teatral, melhor. Gostaria de ver a cara dessa jornalista ao saber que o maior festival de teatro do país divulgou com exclusividade a grade de espetáculos para apenas um jornal. Então me questiono: a arte deste festival é para todos?

Mystic Pizza

Sabe quando você adora o final de um filme e não cansa de rever?



Esse é da época em que a Julia Roberts ainda era natural nas interpretações.

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Cuma?

Hoje assisti Invictus. História verídica baseada em acontecimentos do início da década de 1990, na África do Sul. Quase no final, uma mulher da fila de trás pergunta: "Será que ele (Nelson Mandela) vai morrer nessa cena?"

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Alguma coisa está fora...


Há alguns meses, a avó de uma amiga, que agora também é minha por adoção, me contou que estava indignada. Antigamente, ela encontrava quatro sardinhas em uma lata, todas juntinhas e suculentas. Hoje são apenas duas que nadam no mar de óleo dentro do recipiente. Ela ainda não se conforma com isso.

Para piorar a situação, hoje contei para ela uma notícia que li na Folha de S.Paulo. Encontraram marcas que, no lugar de sardinha e atum, colocavam dentro da lata peixes de outra raça, bem mais simples e baratos. A avó me olhou com uma cara de tristeza, como se nunca mais pudesse comer em paz uma mísera lata de sardinha. O mundo mudou!

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Educação

Uma amiga estava no Pilates quando a professora pediu, durante um exercício em que os alunos estavam com o quadril elevado, que todos relaxassem o terceiro olho. Achei a professora super polida!